ChaveImóvelCasa
Foto: Pixabay
Terrazza Panorâmico

A Polícia Civil deflagrou, nesta quarta-feira (6), uma operação de combate à falsa venda de imóveis no litoral do Paraná. O objetivo é desarticular uma associação criminosa que utilizava documentos falsos dos reais proprietários de terrenos para enganar as vítimas, que compravam os imóveis.

Dois homens foram presos até o momento. Um deles é funcionário da Controladoria da Prefeitura de Matinhos. O segundo é contador e foi candidato a deputado estadual pelo PTC na eleição de outubro. Ele recebeu 1.055 votos e não foi eleito.

O contador também foi autuado em flagrante por falsificação de documento público, porque na residência dele, em Curitiba, foram encontrados vários documentos falsos. Ele é apontado como líder da associação criminosa, responsável por escolher as vítimas e delegar funções aos demais integrantes.

Já o funcionário da Prefeitura fornecia informações privilegiadas ao líder da associação criminosa, o que facilitava a escolha das vítimas.

Segundo a Polícia Civil, ainda há mandados de prisão contra outros dois integrantes da quadrilha, que ainda são procurados.

Conforme as investigações, em novembro, a quadrilha vendeu um imóvel que fica em Guaratuba para duas vítimas, pelo valor de R$ 160 mil. Além disso, com os documentos falsos, os suspeitos conseguiram enganar os funcionários do Cartório de Matinhos, que lavraram escritura pública de compra e venda do imóvel. Após descobrirem o golpe, em janeiro, as vítimas procuraram a polícia e registraram um Boletim de Ocorrência.

Mesmo já sabendo das investigações, em fevereiro, os suspeitos “venderam” novamente o mesmo terreno a outra vítima, desta vez pelo valor de R$ 265 mil. Conseguiram com que fosse lavrada outra escritura pública de compra e venda, desta vez no Cartório de Quitandinha.

A associação criminosa ainda é investigada por outros crimes como estelionato, lavagem de dinheiro, receptação e furto de energia.

A reportagem tentou contato com a Prefeitura de Matinhos, mas até a publicação desta reportagem não obteve retorno.

Repórter Francielly Azevedo