Foto: Justiça Federal

A juíza Gabriela Hardt emitiu sua primeira sentença relacionada à operação Lava Jato após assumir interinamente o posto deixado por Sérgio Moro, que era o responsável pelas ações até aceitar o convite para ser ministro no governo de Jair Bolsonaro.

O despacho definiu por mais uma condenação do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Inicialmente a juíza apontou pena de seis anos e oito meses de reclusão que, entretanto, foi reduzida pela metade por haver atenuante da confissão, além do fato de haver outras condenações criminais a penas privativas de liberdade. Assim, a condenação estabelecida foi a três anos e quatro meses em regime aberto.

Também foi condenado por Gabriela Hardt o empresário João Antônio Bernardi Filho. Segundo a juíza, a pena pelos crimes de corrupção e de lavagem chegaria a cinco meses e seis meses de prisão, entretanto será cumprida alternativamente, conforme acordo de colaboração firmado entre o delator e o Ministério Público Federal. Para que o acordo seja mantido, entretanto, Bernardi Filho ainda precisa pagar multa cível acertada com o MPF. Do total de três milhões de reais ele ainda deve recolher dois milhões 149 mil reais para manter os benefícios.

Conforme a denúncia apresentada, fornecedoras da Petrobras pagavam propinas de forma sistemática a dirigentes da estatal para conseguir a obtenção de contratos e seria essa a relação entre os dois condenados. Representante de empresa favorecida pelos ilícitos, Bernardi Filho teria comprado obras de arte em favor de Renato Duque para ocultar e dissimular valores de origem criminosa. Teriam sido utilizadas ainda contas no exterior para fazer o pagamento das vantagens indevidas em decorrência da obtenção de contrato para a instalação de um gasoduto na bacia de Santos.

Repórter Cristina Seciuk