ciretran-ponta-grossa-gaeco
Foto: Google Street View
Terrazza Panorâmico

O núcleo de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná, cumpriu na manhã desta terça-feira (3), dois mandados de busca e apreensão em investigação destinada a apurar possíveis crimes de corrupção e falsidade ideológica envolvendo despachantes e um servidor da Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) na cidade.

As investigações, iniciadas há cerca de um ano a partir de elementos encaminhados pelo Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), apontam indícios de que o servidor recebia vantagens indevidas para patrocinar o interesse privado de determinados despachantes e de particulares perante o órgão de trânsito, facilitando a emissão de documentos em desacordo com a legislação e omitindo irregularidades em inspeções veiculares.

O coordenador do Gaeco em Ponta Grossa, promotor de Justiça Antonio Juliano Souza Albanez explica que as investigações foram motivadas pelas denúncias do Detran, de que dados falsos estavam sendo inseridos no sistema informatizado do órgão de trânsito de Ponta Grossa. Segundo Antonio Juliano, as investigações seguem em sigilo e o material apreendido nesta terça-feira será analisado pela polícia científica.

Os mandados foram cumpridos na residência do suspeito e na 2ª Ciretran de Ponta Grossa, ninguém foi preso.

Repórter Vanessa Fernandes