Foto: Divulgação AEN PR/ Jaelson Lucas

A empresa Maxi Frotas foi contratada pelo governo do Paraná para fazer a manutenção da frota estadual, dentro de um contrato emergencial de prestação de serviços. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (22) pelo governo. O contrato tem valor máximo de 38 milhões e 657 mil reais e vigência de até 180 dias.

O vínculo emergencial tem o objetivo de atender a frota oficial do estado até a conclusão da licitação efetiva para contratação da empresa gestora de manutenção da frota. Todo o processo está acontecendo depois do afastamento da empresa JMK, que fazia este serviço.

A empresa é alvo de investigação na polícia por indícios de adulteração de orçamentos e colocação de peças de baixa qualidade nos veículos. Uma operação foi deflagrada no mês de junho, na qual foram presas quinze pessoas ligadas à empresa.

Segundo informações divulgadas na época pela polícia, o prejuízo aos cofres públicos teria alcançado R$ 125 milhões.

Entre as providências adotadas pelo Estado após a operação foi a realização de uma licitação para a contratação de uma nova empresa para a prestação do serviço. O secretário de Estado da Administração e da Previdência, Reinhold Stephanes, informou que o edital para a licitação convencional da empresa gestora da manutenção da frota está sendo finalizado.

De acordo com Stephanes, uma série de mudanças foi inserida no contrato com a nova empresa prestadora de serviços. A expectativa é que o edital seja lançado no mês de agosto e a concorrência concluída até início de outubro.

A empresa contratada também tem obrigações, previstas em contrato, de fiscalizar os serviços feitos pela rede de oficinas credenciada. O novo contrato prevê fornecimento de sistema informatizado e integrado de gestão da frota estadual, via internet; equipe autônoma da contratada para exercer a fiscalização da Rede Credenciada e dos serviços prestados e rede credenciada de estabelecimentos responsáveis pela manutenção preventiva e corretiva da frota de veículos do Poder Executivo do Estado do Paraná.

O contrato anterior, com a JMK, para a manutenção da frota do governo também é alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa.

Em nota, a JMK diz que “o contrato emergencial assinado nesta segunda-feira (22) pelo governo do Estado para manutenção da frota pública é 40% maior do que o vigente com a JMK até 31 de maio.

Com o sistema de gerenciamento compartilhado da frota entre Governo do Paraná e JMK, houve economia de R$ 91,6 milhões com a manutenção dos veículos oficiais em 4,5 anos, se comparados com valores praticados anteriormente.”

Segue a nota, dizendo que “a JMK não era responsável pela fiscalização final do serviço; e” ainda “que dois ex-secretários da Administração e o atual ocupante da pasta” confirmaram em depoimento à CPI da Assembleia Legislativa “não ter recebido nenhuma denúncia de irregularidade durante a vigência do contrato com a empresa JMK.”

Da Redação, com informações da AEN