Foto: Nani Gois/Alep

A agenda foi confirmada pelo líder de Richa na Assembleia Legislativa, Luiz Claudio Romanelli (PSB).

O deputado destaca a necessidade de avançar nas discussões sobre os projetos da Lei Orçamentária Anual e da Lei de Diretrizes Orçamentárias.

Este último tem que ser aprovado antes da LOA, mas ainda não foi a plenário por conta da polêmica emenda que retira o reajuste inflacionário a ser pago ao funcionalismo e que motivou, inclusive, greves de algumas categorias, como a dos professores.

Atualmente, as paralisações foram encerradas e negociações estão em andamento, mas Romanelli afirma que um entendimento tem que avançar rápido, por causa do calendário legislativo.

Apesar de reabrir negociação com os representantes dos servidores, o governo estadual mantém o posicionamento original e coloca como prioritário o pagamento das promoções e progressões de carreira. Só depois de quitar esses valores, começaria a se pensar na correção inflacionária. Já o funcionalismo cobra que o governo pague as duas pendências, mas já admitiu que o governo trabalhe apenas com o teto fixado na proposta.

Por isso, Romanelli acredita que há espaço para um acordo.

Agora falta saber qual será a solução a ser aplicada em 2017.

Segundo Romanelli essa emenda à LDO, que trata do reajuste do funcionalismo, deve ser o principal tema da reunião da quarta-feira, que deve ser presidida pelo governador Beto Richa.

Repórter Cristina Seciuk

Deixe uma mensagem