Foto: Fábio Buchmann

Uma comitiva composta por vários deputados federais, especialmente do PT, veio a Curitiba nesta quinta-feira (20) em uma espécie de protesto contra a determinação do ministro do Supremo Dias Tofolli, que cassou a liminar de Marco Aurelio Mello sobre condenados em segunda instância, que impediu a soltura de Lula nesta quarta-feira (19).

Os parlamentares participaram de ato após o “Bom Dia Presidente Lula”, manifestação realizada todos os dias diante da superintendência da PF desde abril, quando o petista passou a cumprir pena no local. Foram feitos discursos reclamando da imprensa, da falta de credibilidade do poder judiciário, e reforçando a tese de que Lula é um preso político e está pagando por tudo o que ele representa.

Falou-se também que Dias Toffoli foi pressionado por uma espécie de conspiração contrária à soltura de Lula.

Quem conversou com jornalistas foi a presidente nacional do PT, ainda senadora e futura deputada federal Gleisi Hofmann.

A senadora disse que Lula passou o dia tranqüilo, mas estava cético com relação à decisão que poderia colocá-lo em liberdade.

Sobre a permanência de Lula na prisão, Gleisi Hofmann disse que a vida do ex-presidente estará em risco a partir de janeiro, depois da posse do novo governo.

Muitos deputados garantiram que vão passar a noite de Natal e a virada do ano em frente à PF, em solidariedade ao ex-presidente. Lembrando que a defesa de Lula pediu novamente ao ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), que o ex-presidente seja solto. Este pedido foi apresentado mesmo após Dias Toffoli derrubar a decisão monocrática de Marco Aurélio.

Repórter Fábio Buchmann