Foto: Divulgação

A juíza federal substituta Carolina Lebbos, da 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, prorrogou por mais cinco dias a prisão temporária de Marice Correa Lima, cunhada do ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), João Vaccari Neto.

Na mesma decisão, publicada na noite desta terça-feira (27), a magistrada converteu as prisões temporárias em preventivas de três investigados na 56ª fase da Lava Jato, batizada de Operação “Sem Fundos”.

Valdemir Flavio Pereira Garreta, marqueteiro ligado ao Partido dos Trabalhadores; Rodrigo Barreto, ex-diretor da Petros e William Chaim, funcionário do PT, seguem presos por tempo indeterminado.

Outros nove presos temporários tiveram alvará soltura expedidos, porém, terão que cumprir medidas cautelares. Eles não podem deixar o país, precisam entregar o passaporte em 48 horas, e estão proibidos de manter contato com os demais investigados da operação, salvo familiares.

Operação “Sem Fundos”

A Operação “Sem Fundos” foi deflagrada na última sexta-feira (23). Vinte pessoas foram presas e outros dois alvos de prisão estão no exterior, em Israel e em Portugal.

As investigações buscam reprimir a prática de crimes de corrupção ativa e passiva, gestão fraudulenta de fundo de pensão, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo a Polícia Federal, contratos que envolviam a construção da nova sede da Petrobras em Salvador, na Bahia, tiveram indícios de superfaturamento, além de serem direcionados para viabilizar pagamentos de vantagens indevidas para agentes públicos.

Os projetos e a obra da sede da Petrobras em Salvador, conhecido como Torre Pituba, passaram de R$320 milhões para mais de R$1 bilhão.

Conforme o Ministério Público Federal (MPF), as empreiteiras OAS e Odebrecht distribuíram vantagens indevidas que representam quase 10% do valor da obra, o que, segundo a procuradora Isabel Vieira Groba, é um dos maiores percentuais já constatados na Lava Jato.

No sábado (24) a juíza federal da 13ª Vara de Curitiba, Gabriela Hardt, determinou o bloqueio de R$ 20 milhões das contas de 13 alvos da Operação “Sem Fundos”. Também foram sequestrados ativos de 38 empresas ligadas aos investigados.

Repórter Lucian Pichetti