Na área de macrodrenagem, o maior volume de recursos está destinado à Bacia do Rio Belém. Há ainda recursos para obras nas bacias do Barigui, Ribeirão dos Padilhas e Atuba. E, ainda, para a elaboração de projetos na Bacia do Rio Iguaçu. - Na imagem, obras de drenagem na bacia do Rio Barigui para conter enchentes. Foto: Daniel Castellano / SMCS
Terrazza Panorâmico

O Amigo dos Rios é um programa para ampliar e melhorar os sistemas de abastecimento de água e coleta e tratamento de esgoto de Curitiba. Serão investidos R$ 3,5 bilhões pela Prefeitura e Sanepar. Parte dessas obras já está em andamento, com mais de 26 mil metros de rede de esgoto substituídos ou revitalizados na cidade.

Além de um trabalho contínuo de melhorias, o programa também contempla a Educação Ambiental em escolas, indústrias, comunidades e de qualquer pessoa que more nas proximidades dos rios e afluentes.

Uma das principais preocupações é a conscientização com a ligação correta da rede de esgoto. Atualmente, Curitiba conta com 95% de cobertura da rede coletora de esgoto, mas muitos problemas ainda são encontrados.

De acordo com a gerente de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Curitiba, Leila Maria Zem, entre as irregularidades mais comuns estão a falta de caixa de gordura nos imóveis, o lançamento de resíduos sólidos na rede de esgoto e a ligação de esgoto na galeria pluvial.

Para reverter essa situação, Leila Zem explica que será feita uma série de ações para auxiliar a população na regularização da rede de esgoto, além de atividades que podem evitar o assoreamento dos rios da cidade.

E o trabalho já começou. As sub-bacias Cajuru, Guabirotuba, Córrego Gava, Juvevê e Evaldo Wendler, que deságuam no Rio Belém, recebem equipes para auxiliar e conscientizar a população. Os trabalhos são feitos constantemente e seguem durante todo o ano.

Repórter William Bittar