O zagueiro Thiago Heleno e o volante Camacho, do Athletico, foram julgados nesta segunda-feira (12) sobre o caso de doping que os afastou dos gramados, em maio, durante a Copa Libertadores da América. A sessão aconteceu em Luque, cidade paraguaia que é sede da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol), entidade que faz sigilo sobre o resultado. Somente nos próximos dias é que os atletas e o clube saberão se há ou não punição.

Thiago Heleno e Camacho foram suspensos preventivamente por dois meses. O Athletico assumiu a culpa no episódio, quando Mario Celso Petraglia, presidente do conselho deliberativo rubro-negro, afirmou que os jogadores ingeriram um suplemento alimentar disponibilizado por nutricionistas atleticanos. Este suplemento continha higemanine, substância considerada dopante.

Em junho, o clube dispensou vários profissionais que teriam contribuído para o erro (preparadores físicos, nutricionista, preparador físico). Entre eles, o médico Luiz Gustavo Emed, filho de Luiz Salim Emed, atual presidente do clube. O prazo de dois meses encerrou, o Athletico foi eliminado da Libertadores (em julho, pelo Boca Juniors) e só agora, mais de cem dias sem atuar, é que Thiago Heleno e Camacho foram réus. E os dois continuam sem saber quando voltam a jogar.

(Ayrton Baptista Junior)