Foto: Reprodução Google Street View
Terrazza Panorâmico

Durou mais de 11 horas o primeiro dia do júri popular de três acusados de envolvimento na morte de Diego Gonciero, de 16 anos, em julho de 2012. O julgamento começou nesta quinta-feira (12) e a sentença deve ser dada somente neste sábado (14).

Nesta sexta-feira (13), os interrogatórios de mais quatro testemunhas começaram às 9h e os réus também devem ser interrogados. Juliano Rodrigues, Gilson Silva Teles e Fábio Marques são acusados de homicídio qualificado.

Diego Gonciero participava de uma confraternização na sede da torcida organizada “Fúria Independente”, quando integrantes de dois carros passaram atirando contra os presentes. Um tiro atingiu o adolescente que chegou a ser socorrido ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no mesmo dia.

Por meio de nota, a defesa dos acusados disse que a morte do torcedor do Paraná Clube é “fruto de ganância e disputa entre dirigentes de Torcidas Organizadas”.

O advogado Cláudio Dalledone Júnior, afirma que o réu Juliano Rodrigues, não tem envolvimento no crime e que a arma apreendida com ele, um ano depois da morte do jogador, não é a mesma que foi utilizada para o assassinato. Ele ressalta que a arma “foi alvo de uma perícia suspeita e que não foi posta a contraprova pela Justiça”.

Já o advogado que representa a família de Diego Gonciero, Rodrigo Faucz, diz confia no Tribunal do Júri de Curitiba e que ele “cumprirá a função de representar a sociedade, demonstrando que não tolera violência para condenar os acusados que tiraram a vida de um jovem de 16 anos”.

Repórter William Bittar