Em Mangueirinha, na região Sudoeste do Estado, a Justiça determinou a indisponibilidade de bens do atual prefeito e de dois ex-prefeitos, que estiveram à frente do executivo municipal entre os anos de 2001 e 2016. Em relação ao prefeito, as irregularidades teriam sido praticadas durante seu primeiro mandato, exercido entre 1997 e 2000.

Os três agentes públicos são investigados pela prática de ato de improbidade administrativa. Esta foi uma resposta à ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Paraná.

De acordo com a apuração da Promotoria de Justiça de Mangueirinha, no período de 1997 a 2015, foram feitos, sem as devidas autorizações, repasses ilegais pela prefeitura local à Associação de Senhoras dos Prefeitos do Sudoeste.

A entidade também é citada na ação. E teve os bens bloqueados. O prejuízo calculado ao erário foi de quase R$ 35 mil.

Esta decisão soma-se a outras duas, propostas pelo Ministério Público contra gestores, que também foram motivadas por ações civis, por ato de improbidade. O valor total dos bloqueios chega a aproximadamente R$ 1 milhão.

Repórter Marcelo Ricetti