Foto: Divulgação Site Plauto Miró
Terrazza Panorâmico

O juiz Guilherme de Paula Rezende, da  4ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, determinou o bloqueio de R$ 164 mil em bens do deputado estadual Plauto Miró (DEM). Conforme a decisão, o parlamentar teria cometido irregularidades em gastos com alimentação ressarcidos pela Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

A prática foi denunciada em uma ação promovida pela ONG Vigilantes da Gestão Pública. O grupo acompanha todos os custos dos deputados e aponta que Plauto teria utilizado a verba em “bares e locais de recreação e lazer”.

Conforme a decisão, Plauto Miró teria pedido o reembolso de dinheiro de valores gastos com alimentação em restaurantes de Curitiba entre 2014 e 2019. No entanto, uma resolução do Legislativo previa que apenas valores pagos em viagens podem ser ressarcidos.

Essa normativa foi alterada neste ano e permitiu o reembolso de gastos em qualquer cidade. Para isso, o deputado precisa comprovar que estava em atividade parlamentar. Além disso, é permitido o valor máximo de R$ 31 mil de verbas de ressarcimento durante o mandato.

Por meio de nota, o deputado Plauto Miró informou para Rádio CBN Curitiba que ainda não foi notificado sobre tal ato do poder judiciário e, assim que o for, se manifestará no processo.

Repórter Francielly Azevedo