Foto: CBN Curitiba
Terrazza Panorâmico

O juiz substituto Thiago Flôres Carvalho da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Curitiba, decidiu que Allan Feijó, acusado de matar um adolescente dentro de um ônibus em uma estação-tubo no bairro Cajuru, em julho de 2017, deve ir a júri popular. Feijó é acusado de homicídio qualificado por motivo fútil e tentativa de homicídio.

Segundo a denúncia do Ministério Público do Paraná (MPPR), o réu desferiu golpes com um canivete contra Pedro Felipe Lopes da Luz, de 16 anos, que morreu no hospital. Além disso, Gustavo Palma Machado Junior também foi atingido, mas sobreviveu.

Na época do crime, Allan Feijó se apresentou na delegacia e afirmou que andava com um canivete para se proteger da violência na cidade e que, no dia do crime, ele viu um grupo entrar no ônibus sem pagar passagem e tentou evitar que eles “furassem a catraca” na estação-tubo.

De acordo com o juiz, embora as vítimas estivessem cometendo uma ilegalidade ao tentarem entrar no ônibus sem pagar a passagem, “o acusado não tinha relação com os ofendidos” e “adotou comportamento violento ao empurrá-los para fora”, já que não cabia a ele a tarefa de conter esse tipo de comportamento.

A defesa pedia a absolvição de Feijó, em razão de legítima defesa. E, em caso de pronúncia, pediu pela retirada da qualificadora do motivo fútil. Além disso, pediu a desclassificação de tentativa de homicídio contra Gustavo para lesões corporais leves.

O juiz também não viu necessidade de prisão de Allan Feijó e, por este motivo, ele aguarda a data do julgamento no Tribunal do Júri em liberdade.

Repórter William Bittar