Foto: Reprodução/Facebook

Em julgamento realizado nesta quinta-feira (14), exatamente um ano depois do crime, a Justiça decidiu que Everton Vargas, acusado pela morte da youtuber Isabelly Cristine Santos, de 14 anos, em fevereiro do ano passado, deve ir a júri popular.

Isabelly voltava de um evento noturno com a mãe, o motorista do carro e o filho do motorista, quando foi atingida por um tiro na cabeça, no Balneário de Canoas, em Pontal do Paraná, no Litoral do Estado, na madrugada do dia 14 de fevereiro de 2018.

A jovem chegou a ser socorrida ao Hospital Regional do Litoral, em Paranaguá, mas teve a morte cerebral confirmada.

Os irmãos Cleverson e Everton Vargas foram presos na época dos fatos e alegaram que o motorista que dirigia o veículo onde estava a youtuber fez uma manobra brusca, quando Everton se assustou e atirou, atingindo a jovem na cabeça.

Cleverson, que dirigia o veículo, deixou a prisão no dia 17 de dezembro, 10 meses depois da morte da adolescente.

A decisão de colocar Cleverson em liberdade foi tomada pela juíza substituta de Pontal do Paraná, Carolina Valiati da Rosa. A magistrada acatou o pedido de revogação da prisão efetuado pela defesa de Cleverson após o Ministério Público o impronunciar como réu no caso.

Nesta quinta-feira, o juiz acatou os pedidos e Cleverson Vargas responderá por embriaguez ao volante, já que ele dirigia o carro no momento dos fatos e havia bebido.

A defesa dos irmãos Vargas afirmou que o “objetivo foi atingido provando a não participação de Cleverson” na morte da youtuber e ressaltou que vai entrar com recurso para “retirar alguns excessos acusatórios.

Everton Vargas, no entanto, foi quem confessou ter atirado. Em depoimento, ele afirmou que atirou, mas não com a intenção de atingir o veículo e sim, para tentar amedrontar o motorista, que teria feito o retorno em direção ao carro em que a família Vargas estava.

No julgamento do habeas corpus, os desembargadores se pronunciaram pela manutenção da prisão do acusado e o magistrado Ricardo Piovesan, da Vara Criminal de Pontal do Paraná, também se manifestou pela continuidade da prisão de Everton Vargas.

Ele é réu por homicídio qualificado e está preso na Casa de Custódia em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

A defesa já garantiu que vai recorrer ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para pedir a soltura do acusado.

Repórter William Bittar