posse-fiep-justica-do-trabalho
Foto: Google Street View
Terrazza Panorâmico

A juíza substituta Fabiana Meyenberg Vieira, da 10ª Vara do Trabalho de Curitiba, suspendeu a posse do presidente eleito da Federação das Indústrias do Paraná (FIEP), Carlos Walter Pedro. A suspensão está determinada até que seja convocada uma assembleia para analisar um recurso da chapa derrotada na eleição para presidência da entidade, que aconteceu em agosto. A posse aconteceria no próximo dia 1º.

Conforme a decisão, a FIEP tem o prazo de 48h para convocar a assembleia. O autor da liminar, José Eugênio Gizzi, foi derrotado por dois votos de diferença. Segundo Gizzi, o presidente da FIEP, Edson Campagnolo, feriu o regimento da instituição ao não convocar uma assembleia geral para analisar um recurso movido ele que questionava a legitimidade de quatro votos. A chapa derrotada havia impugnado esses votos na eleição, mas a comissão eleitoral julgou o pedido improcedente.

Gizzi afirma que Campagnolo agiu para favorecer o candidato eleito Carlos Walter Pedro.

Na decisão, a juíza destaca que não cabe ao Presidente da FIEP analisar a viabilidade ou não da convocação da assembleia. Por isso, Campagnolo teria ferido o regulamento eleitoral da entidade.

Carlos Walter Pedro, presidente eleito, disse que está tranquilo em relação a decisão judicial e ressaltou que a assembleia vai comprovar que o processo aconteceu sem irregularidades.  

Por meio da assessoria de imprensa, a FIEP informou que, por enquanto, não vai se manifestar.

Repórter Francielly Azevedo