Foto: Divulgação/Alep

Elaborado no fim de 2018, pela Fundação Dom Cabral, o projeto de lei da reforma administrativa continua causando polêmica na Assembleia Legislativa. E este nem era o principal assunto do dia, já que era esperada a entrega do projeto, também de autoria do governo estadual, que dispõe sobre compliance.

O projeto que trata da reforma administrativa chegou ao legislativo estadual no início de fevereiro, e ocasionou muito debate entre os parlamentares resultando no retorno ao Palácio Iguaçu para que seja reapresentado.

De acordo com o líder do governo, deputado Hussein Bakri, do PSD, o projeto deve retornar para ser lido em plenário até a próxima semana, e garante que o escopo do projeto será mantido.

O texto prevê a redução de secretárias, de cargos comissionados e funções gratificadas, gerando uma economia de R$ 10 milhões.

O deputado Soldado Fruet, do Pros, foi contra a tramitação do projeto ainda em fevereiro, e promete que se forem mantidas as justificativas do primeiro projeto, ele será contra novamente.

Depois de recebido pela Assembleia Legislativa e lido em plenário, o projeto da reforma administrativa iniciará a tramitação pela comissão de constituição e justiça.

Da mesma forma tramitará o projeto que versa sobre compliance no governo que foi encaminhado ao legislativo estadual no fim da sessão desta terça-feira. A entrega do projeto estava prevista para acontecer pela manhã, mas foi adiado devido a um compromisso do governador Ratinho Junior em Brasília.

Repórter Vanessa Fernandes