lava-jato

Jorge Luz e o filho dele, Bruno, retornaram dos Estados Unidos na manhã deste sábado. Eles desembarcaram no aeroporto de Brasília e foram direto, com escolta, para a superintendência da Polícia Federal na capital do país. Eles devem permanecer detidos por lá até a próxima quinta-feira, quando devem ser transferidos para Curitiba. A remoção só deve ser feita depois do feriado de Carnaval.

Segundo a força-tarefa da Lava Jato, Bruno Luz estava nos Estados Unidos desde agosto de 2016 e Jorge desde janeiro. Os nomes deles ficaram no alerta vermelho da Interpol por três dias devido a mandados de prisão preventiva expedidos pelo juiz Sérgio Moro. Na sexta-feira, pai e filho foram presos em Miami e logo retornaram ao Brasil, sendo presos pela PF no momento do desembarque.

Jorge e Bruno Luz são acusados de movimentarem cerca de 40 milhões de dólares em propina nos últimos dez anos. O Ministério Público Federal disse que eles eram os maiores e mais importantes operadores do PMDB na Petrobras. Entre os beneficiários dos recursos ilícitos, há muitos políticos do PMDB, principalmente da bancada do Senado. Essa parte da investigação, que envolve autoridades com prerrogativa de foro, está no Supremo Tribunal Federal.

Jorge Luz também é acusado de atuar de maneira ilícita na Petrobras desde os anos 80. A defesa criticou a prisão preventiva do lobista por ele ter 73 anos. Os advogados também rebateram a versão do MPF de que pai e filho teriam fugido do país para não serem alvos da Lava Jato. A defesa garante que eles já tinham passagens compradas de retorno ao Brasil. A força-tarefa, por outro lado, usou a ida ao exterior como um dos motivos para embasar os pedidos de prisão – acolhidos pelo juiz Sérgio Moro.

Repórter Tabata Viapiana

Deixe uma mensagem