assembleia-legislativa
Foto: Pedro de Oliveira/ALEP
Terrazza Panorâmico

Os profissionais estaduais da educação entraram em greve, nesta segunda-feira (2), em todo o Paraná. Eles são contrários ao pacote que trata da Reforma da Previdência Estadual e foi proposto pelo Poder Executivo.

Os projetos estão em tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná. Ao todo, são duas propostas de lei ordinária e uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC). Uma comissão especial foi formada para análise da PEC, os demais projetos seguem o rito normal.

Segundo o Líder da Oposição, deputado Tadeu Veneri (PT), mais de 30 emendas devem ser apresentadas à PEC nesta terça-feira (3). Na opinião do parlamentar, o processo está sendo feito de maneira acelerada.

O pacote propõe alterações na Previdência Estadual nos mesmos moldes da reforma da previdência já aprovada no Congresso Federal. Entre as mudanças previstas estão o aumento da contribuição dos servidores de 11% para 14% e o estabelecimento de idade mínima para aposentaria de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres.

De acordo com o Governo, em 2019, a despesa com a previdência do funcionalismo soma R$ 10,1 bilhões, com um déficit de R$ 6,3 bilhões para cobrir os gastos com aposentados e pensionistas. Se não ocorrer a reforma, o Executivo afirma que essa despesa deve ultrapassar os R$ 9 bilhões por ano.

Conforme Tadeu Veneri, é necessária uma melhor análise dos números.

A última vez que o Governo Estadual promoveu mudanças na previdência paranaense foi em 2015, na gestão do ex-governador Beto Richa (PSDB). Na ocasião, a alteração no fundo de aposentadoria e pensão do funcionalismo terminou com mais de 200 feridos durante um confronto entre os servidores em greve e policiais militares, no dia 29 de abril daquele ano.

Para Tadeu Veneri, no modelo atual, é bem provável que a Previdência volte a ser discutida nos próximos anos, já que o problema não estará resolvido.

A reportagem tentou um posicionamento da Liderança do Governo, mas até o fechamento desta edição não obteve retorno.

Repórter Francielly Azevedo