Foto: Divulgação/SESA

Mais quatro casos de febre amarela foram confirmados no Paraná, de acordo com o boletim epidemiológico da Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa), divulgado nesta quinta-feira (21). De acordo com o último boletim, foram notificados 224 casos, sendo doze confirmados, 61 em investigação e 151 descartados.

Os municípios com mais notificações da doença são Paranaguá (55), Curitiba (33) e São José dos Pinhais (30). Os casos confirmados foram registrados em Antonina, Morretes, Adrianópolis, Campina Grande do Sul, Curitiba, Piraquara e São José dos Pinhais.

Em março também foi confirmada a primeira morte pela doença no Paraná, desde o início do levantamento, em 1º de julho de 2018. Um homem, de 64 anos, morador de Morretes, morreu por complicações da doença após ser transferido para um hospital de Curitiba. Ele morava na região do Candonga e não estava vacinado.

No período de monitoramento, de julho de 2018 até o dia 20 de março de 2019, quatro macacos foram encontrados mortos com febre amarela, em Antonina, Morretes, Paranaguá e em São José dos Pinhais.

Apesar disso, a transmissão ao ser humano ocorre quando um mosquito se infecta ao picar um animal com febre amarela e depois acaba picando uma pessoa.

A vacinação contra a febre amarela é indicada para quem tem de 9 meses a 59 anos de idade. A dose é única e quem já tomou uma vez na vida, não precisa tomar uma segunda dose.

Se a pessoa não lembra se já foi imunizada ou não tem a carteira de vacinação, o recomendado é procurar uma unidade de saúde para receber a dose.

Pessoas acima de 60 anos, gestantes e mães que estão amamentando bebês menores de seis meses precisam de prescrição médica para tomar a vacina.

Em Curitiba, a imunização está disponível nas 110 unidades básicas de saúde.

Em menos de três meses, mais de 248 mil pessoas foram imunizadas em Curitiba, número maior do que o registrado em todo o ano de 2018, quando 243.932 pessoas receberam a vacinação.

Repórter William Bittar