Materiais ilegais de pesca foram apreendidos no Paraná

Materiais ilegais de pesca foram apreendidos no Paraná
Foto: AEN/PR

Cerca de 5 mil metros de redes de emalhar, um tipo de pesca passiva, mais 500 metros de cordas de espinhal com anzóis e 12 unidades de tarrafas de arrastão e lance foram apreendidos na última semana durante uma operação do Instituto Água e Terra (IAT), chamada de Tempestade na Represa. A fiscalização ocorreu nas águas dos rios Tibagi, Paranapanema, Cinza, Laranjinha e Lago da Represa Canoas 1.

Os agentes do IAT encontraram também grande quantidade de peixes nativos presos às redes. Algumas espécies emalhadas estão protegidas desde 15 de outubro, como o mandi, dourado e piracanjuba.

O chefe regional do IAT em Cornélio Procópio, João Carlos Ferreira, explica que a falta de chuva é um agravante para a pesca predatória. Segundo João Carlos, a ação garante o repovoamento dos rios da Bacia Hidrográfica do Paraná.

Os materiais apreendidos são de caráter predatório, o que caracteriza crime ambiental, com multa prevista por lei, de 700 reais por pescador e mais 20 reais por quilo ou unidade de peixe pescado.

Como os materiais encontrados não estavam sob a guarda de ninguém, a operação não resultou em multas aplicadas. Os peixes entrelaçados nas redes foram libertados e os que não podiam ser soltos foram destinados ao Asilo São Francisco de Paula, de Bandeirantes, no norte do Paraná.

Repórter Grasiani Jacomini com assessoria