Foto: Chuniti Kawamura/AENPr
Terrazza Panorâmico

A cidade Matinhos, no litoral do Paraná, possui uma taxa de homicídios quase quatro vezes maior do que o município de Curitiba. Os dados fazem parte do “Atlas da Violência” divulgado nesta semana pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Segundo o levantamento, a cidade litorânea tem uma taxa de 86,7 homicídios por 100 mil habitantes, enquanto a capital tem uma taxa de 24,6 assassinatos.

Outra cidade do litoral que aparece com índices alarmantes é Guaratuba, com um número quase três vezes maior do que Curitiba, com 69,5 homicídios a cada 100 mil habitantes.

De acordo com o coronel Roberson Bondaruck, especialista em segurança pública, o litoral concentra taxas elevadas por ser rota do tráfico de drogas.

Ao todo, 310 municípios brasileiros com mais de 100 mil habitantes foram analisados. No Paraná, foram 20 cidades. Por aqui, os maiores índices de violência foram registrados nos municípios na divisa com Mato Grosso do Sul e Paraguai.

Para o especialista, o tráfico de drogas é, inclusive, o grande responsável pela maioria das mortes violentas no Paraná.

As cidades de Campo Magro e Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, figuram no ranking com taxas de 67,3 e 64,5. Os dados são 2017, último ano com informações disponíveis. 

Segundo o Atlas da Violência, nos últimos 10 anos, Curitiba registrou uma redução de 43,84% na taxa de homicídios, que passou de 43,8 a cada 100 mil habitantes em 2008 para 24,6 em 2017.

De acordo com o coronel Bondaruck, o reforço na atuação policial e nas operações deflagradas para desarticular quadrilhas contribui com a diminuição na taxa.

Nesta quarta-feira (7), outro levantamento foi divulgado pela Secretaria de Segurança Pública do Paraná. Nos primeiros seis meses do ano, houve redução de 20% no índice de homicídios dolosos no estado, se comparado com o mesmo período de 2018. De janeiro a junho, foram 828 registros de mortes violentas, enquanto em 2018 foram 1.033 casos.

A capital paranaense acompanhou a tendência de queda e registrou 20,5% menos casos. De janeiro a junho de 2019 foram 120 homicídios, contra 151 no mesmo período do ano anterior.

O delegado-geral da Polícia Civil, Silvio Jacob Rockembach, afirma que estudos técnicos comprovam que a certeza da punição do criminoso impacta diretamente na redução de índices.

Dentre os 75 bairros da Capital, 39 tiveram homicídios nos primeiros seis meses do ano.

No bairro Cidade Industrial de Curitiba foram 16 homicídios no primeiro semestre de 2019. No Tatuquara, foram nove ocorrências.

O Centro da Capital não registrou nenhuma ocorrência de homicídio doloso este ano, diferentemente do ano anterior, quando houve oito episódios.

Repórter Francielly Azevedo com colaboração de William Bittar