Foto: Orlando Kissner/ANPr

O Estado do Paraná gerou 38.814 novos postos de trabalho em 2018, e 95% destes empregos foram criados em micro e pequenas empresas. As informações fazem parte de um levantamento do Sebrae que analisou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia. O material destaca também o aumento no último ano de 68% das novas contratações em relação a 2017, quando estas empresas registraram 23.144 novos postos de trabalho.

O setor que mais contratou em 2018 foi o de serviço, com 66% do total, seguido do comércio, com 18,5%, e da construção, com 11,4% dos novos postos de trabalho.

Segundo o gerente de negócios empresariais do Sebrae Paraná Cesar Rissete, um dos fatores que colaboraram para que as micro e pequenas empresas contratassem mais é a flexibilidade no gerenciamento dos custos da empresa.

No contexto da pesquisa também foram divulgados dados sobre as demissões formais dos trabalhadores, mostrando que tradicionalmente, devido a sazonalidade de algumas atividades, dezembro costuma registrar no Brasil os maiores índices de demissões.  O último mês de 2018 foi melhor do que o ano anterior. Em 2017 foram desligados quase 2 mil trabalhadores formais a mais do que no último dezembro. Nas grandes empresas paranaenses a diferença foi de quase 4 mil postos, quando comparado ao mesmo período. Além de dezembro, o único mês em 2018 que registrou mais demissões do que contratações foi junho.

Para Cesar Rissete as micro e pequenas empresas demitiram menos porque além da flexibilidade em gerenciar custos, diminuindo gastos em outros setores que não a folha de pessoal, o micro e pequeno empreendedor tem uma proximidade maior com o funcionário do que uma grande empresa.

Ao analisar a região Sul, o saldo geral de empregos coloca o Paraná como o estado em que as micro e pequenas empresas mais contrataram, seguido de Santa Catarina com 31.284 novos postos e do Rio Grande do Sul, que gerou 19.943 empregos formais em 2018. São consideradas micro e pequenas empresas pelo Ministério da Economia, aquelas com até 99 funcionários e faturamento anual de até quatro milhões e oitocentos mil reais.

Repórter Vanessa Fernandes