Vacinação Sarampo. 22/08/2019. Foto: José Fernando Ogura/AEN
Foto: José Fernando Ogura / AEN
Terrazza Panorâmico

Em maio deste ano o Ministério Público do Paraná iniciou um monitoramento sobre o avanço da dengue no Estado. A motivação foi o boletim epidemiológico, que naquele mês apontava que 37 dos 399 municípios paranaenses já estavam em situação alarmante de epidemia.

A partir desta situação a Promotoria de Justiça de Proteção à Saúde Pública, do MP emitiu um ofício às promotorias do interior do estado, para que fizessem recomendações administrativas aos gestores dos municípios e que estes intensificassem o combate a doença.

Nesta frente, o trabalho do Ministério Público é de recomendação aos gestores, já que o órgão não possui papel de gestor das políticas públicas de gestão da saúde, o trabalho é de prevenção e de cobrança à prefeitos e secretários de saúde dos municípios.

Se em maio a situação já foi grave no julgamento do Ministério Público, o último boletim epidemiológico reforçou a preocupação. No documento a Secretaria Estadual de Saúde confirmou o surgimento de 104 novos casos, um aumento de 11,24% em relação ao boletim anterior, e neste o número de municípios em situação alarmante para epidemia subiu para 55, com destaque para 12 municípios que já se encontravam nesta situação.

O Paraná está dividido em 22 regionais de saúde e em todas elas foram confirmados casos de dengue. A promotora de Justiça Caroline Chiamulera, que atua no Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção à Saúde Pública, do Ministério Público conta que foram emitidas novas recomendações administrativas aos municípios que se encontram em estado alarmante e de epidemia. Ela lista os municípios com maior número de confirmações.

Apesar do último boletim epidemiológico trazer o aumento no número de casos confirmados, diminuiu o número de municípios em estado de epidemia de 12 para seis. Com a chegada do verão e o aumento das temperaturas, o Ministério Público irá intensificar as ações de monitoramento da dengue em todo o Paraná.

Outra frente de atuação da promotoria de proteção à saúde do Ministério Público é em relação ao combate do sarampo. O MP também faz o monitoramento desta doença já que em agosto surgiu o primeiro caso no município de Campina Grande do Sul e apenas dois meses depois, em outubro, já eram 825 notificações e 273 casos confirmados. Dos casos confirmados 258 estão somente em Curitiba e Região Metropolitana.

A promotora de justiça Caroline Chiamulera fala sobre os motivos que levaram ao ressurgimento da doença, não só no Paraná como no Brasil e em outros países, especialmente entre a faixa etária de 20 a 29 anos.

Outra preocupação levantada pela promotora Caroline Chiamulera é a de pessoas que disseminam informações contrárias a vacinação.

Tanto a Secretaria estadual de saúde quanto a secretaria municipal realizam ações através dos agentes de endemias nos bairros, para acabar com os focos do mosquito que causa a dengue, zika e chikungunya. Já para enfrentar o sarampo, em Curitiba as 110 unidades básicas de saúde oferecem a vacina tríplice viral. Neste mês de novembro a 2ª fase da Campanha Nacional de Vacinação começa em 18 de novembro e termina no dia 30. O foco da segunda fase é vacinar pessoas com idade entre 20 e 29 anos. O “Dia D” de vacinação está previsto para ocorrer no dia 30 de novembro.       

Repórter Vanessa Fernandes