Foto: Reprodução

Como era esperado, o show do cantor britânico Roger Waters neste sábado (26.10) no Estádio Couto Pereira, em Curitiba, acabou sendo um ato político, além de, claro, ter sido espetáculo de um dos grandes roqueiros da história.

Para relembrar: ainda na sexta-feira, o juiz Douglas Marcel Peres notificou a Produção do Show de Waters de que o artista cometeria crime eleitoral se fizesse comentários de cunho político após às dez horas da noite da véspera do dia de votação.

O que fez então o cantor britânico? Minutos antes desse prazo exibiu no telão a mensagem: “Temos 30 segundos. Essa é nossa última chance de resistir ao fascismo antes de domingo”. Ao final, a última mensagem foi “Ele não”. E pra fechar, o telão mostrou a mensagem: “São 10 horas. Obedeçam a lei”.

As reações, se dividiram, entre aplausos e vaias aos gritos de “mito” por parte da plateia que lotou o estádio Couto Pereira.

Waters também repetiu, como fez em outras apresentações pelo país, a lista dos políticos mundiais que ele considera neofascistas, citando por exemplo o presidente norte-americano Donald Trump e o presidente russo Vladimir Putin. No espaço onde chegou a aparecer nas primeiras apresentações o nome de Jair Bolsonaro havia uma tarja preta.

Nas conversas com o público foi possível perceber as reações divididas. Soraya Uibe disse que sempre foi mais fã de David Gilmour, o guitarrista, outro líder do Pink Floyd. Ela fez críticas à postura de Roger Waters.

Mesmo não concordando com as posições políticas, Helvécio Rezende queria mesmo era curtir um grande show de rock

Carolina Tavales  classificou como surreal a possibilidade que havia de acontecer até uma prisão de Roger Waters caso desrespeitasse a legislação eleitoral.

Clecy Schutz não acreditava que o show de Waters seria um espaço adequado para a manifestação política dela.

Amigos de Florianópolis vieram em caravana para Curitiba. Matheus e João Paulo disseram que, na avaliação deles, os que criticam o posicionamento político de Waters não conhecem a história do artista líder do Pink Floyd.

Apesar de toda a divisão, de vaias e aplausos, o clima foi tranquilo. Sem maiores problemas e, ao final, a maior parte da plateia encantada com o grande artista que é Roger Waters.