Foto: Cristina Seciuk

Incomodados com a presença da vigília em favor do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se concentra há quase 40 dias nas proximidades da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, moradores do bairro Santa Cândida fizeram um protesto na noite desta segunda-feira (15). Eles pedem o fim do movimento e a desocupação do terreno em que estão os acampamentos.

A advogada dos moradores Patrícia Busatto disse que eles estão inseguros. Prova disso é que, segundo ela, mais de 20 boletins de ocorrências já foram feitos.

Apesar das barracas terem sido transferidas para um terreno particular na região, o acordo com a prefeitura permite a continuidade da vigília pró-Lula bem próximo a PF, até às 21h. O equipamento de som é permitido até às 19h30.

A advogada dos moradores afirmou que o acordo não foi homologado na Justiça e que a qualquer momento o juiz responsável pode fazer valer o interdito proibitório que fixou multa de R$ 500 mil por dia aos responsáveis pelo movimento.

Patrícia também falou a reportagem da Rádio CBN Curitiba que os moradores já conversaram com a prefeitura e o governo sobre o pedido. Caso o poder público não faça nada a respeito, os moradores prometem impetrar na Justiça um mandado de segurança contra a prefeitura de Curitiba e o governo do estado.

Por meio de nota, a Vigília Lula Livre disse que lamentou e denunciou que novamente a manifestação realizada pelo grupo contrário à Vigília desrespeitou os acordos firmados com as autoridades, lançando foguetes depois das 19h30.

Segundo o movimento, o ânimo continua firme e a vigília continuará participando das atividades até libertarem Lula.

Repórter Francielly Azevedo