Foto: EBC
Foto: EBC

O juiz Sérgio Moro autorizou que a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ouça mais de 80 testemunhas durante ação sobre suposta propina que teria sido paga pela Odebrecht. Em contrapartida, o ex-presidente terá de participar de todas as audiências. Moro afirmou que o objetivo da determinação é evitar a insistência em ouvir testemunhas irrelevantes ou impertinentes.

O ex-presidente é acusado de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro. No despacho expedido nesta segunda-feira, Moro escreveu: “já que este julgador terá de ouvir oitenta e sete testemunhas da defesa de Luiz Inácio Lula da Silva, além de dezenas de outras, embora em menor número arroladas pelos demais acusados, fica consignado que será exigida a presença do acusado Luiz Inácio Lula da Silva nas audiências nas quais serão ouvidas as testemunhas arroladas por sua própria defesa, a fim de prevenir a insistência na oitiva de testemunhas irrelevantes, impertinentes ou que poderiam ser substituídas, sem prejuízo, por provas emprestadas”.

A defesa do ex-presidente já tinha arrolado 52 testemunhas em defesa prévia apresentada no dia 26 de janeiro, mas em fevereiro arrolou mais 35 pessoas.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve ser interrogado no dia 03 de maio na sede da Justiça Federal em Curitiba.

Repórter Maíra Gioia

Deixe uma mensagem