Foto: Divulgação/SESA

A Secretaria de Saúde de Morretes confirmou a morte de um macaco pela doença de febre amarela, a confirmação aconteceu após exames laboratoriais de contra prova, que apontaram positivo para o vírus.

Este foi o primeiro registro na cidade este ano, mas não no Litoral. Em janeiro, três macacos foram encontrados mortos em Antonina por conta da doença.

O animal localizado em Morretes estava nas proximidades do São João da Graciosa.

A secretária de Saúde do município, Lúcia Shingo, conversou com a rádio CBN Curitiba e frisou que os postos de saúde estão preparados para a população receber a vacinação, mas revelou que muitas pessoas não buscam a imunização.

Apesar do caso confirmado no macaco, a secretária lembrou que nenhuma pessoa foi infectada com o vírus e que não há motivo para alardes.

De acordo com o último boletim de febre amarela divulgado pela Secretaria de Saúde do Paraná (Sesa-PR), foram notificados 168 casos suspeitos de febre amarela em todo o Paraná. Desses, 115 casos foram descartados e 48 prosseguem em investigação, além de cinco confirmações.

Os casos de febre amarela em humanos foram registrados em Curitiba, Campina Grande do Sul, Antonina e Adrianópolis.

A vacinação contra a febre amarela é indicada para quem tem de 9 meses a 59 anos de idade. A dose é única e quem já tomou uma vez na vida, não precisa tomar uma segunda dose.

Se a pessoa não lembra se já foi imunizada ou não tem a carteira de vacinação, o recomendado é procurar uma unidade básica de saúde para receber a dose.

Pessoas acima de 60 anos, gestantes e mães que estão amamentando bebês menores de seis meses precisam de prescrição médica para tomar a vacina.

Repórter William Bittar