Foto: PMPR

A quantidade de mortes em decorrência dos confrontos com a polícia aumentou pelo terceiro ano consecutivo no Paraná. Foram quase 20% mais casos em 2018 na comparação com o ano anterior. No total, o estado registrou 327 mortes durante os últimos doze meses de acordo com balanço divulgado nesta quinta (17) pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, unidade do Ministério Público do Paraná que tem entre suas atribuições o controle externo da atividade policial.

Para o coordenador do Gaeco, procurador Leonir Batisti, merece destaque o crescimento constante da estatística.

Cumulativamente, as mortes em confrontos cresceram em 30% desde 2015.

Na avaliação de Batisti, em parte – e mais simplesmente – o aumento das mortes tem relação com um aumento na violência e na demanda pela ação policial.

Só no segundo semestre do ano passado, foram 141 mortes em confronto com policiais militares e sete em confrontos com policiais civis. No ano todo, houve 312 mortes em confrontos com policiais militares, 12 em confrontos com policiais civis e três com guardas municipais.

O Comando da Polícia Militar do Paraná informa que em toda e qualquer ação de integrantes da corporação durante o cumprimento do dever, seja no âmbito preventivo ou repressivo, é amparada dentro dos limites da lei, observando o princípio da proporcionalidade e visando a proteção dos direitos à dignidade da pessoa humana e à vida. O compromisso da PM é com a proteção da vida, tanto da comunidade ­­quantos dos profissionais de segurança pública.

As técnicas empregadas pela Polícia Militar do Paraná obedecem protocolos internacionais, reconhecidos pelo Governo Federal Brasileiro, os quais versam sobre o emprego da força policial. A Corporação reitera que busca incessantemente a preservação da vida humana e dos direitos humanos.