Foto: Reprodução/Alep

Um debate tenso marcou a audiência pública no plenarinho da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) na manhã desta segunda-feira (15), durante a discussão do projeto de lei “Escola Sem Partido”, que prevê restrições aos professores com relação a temas dentro das escolas, como por exemplo, ideologia de gênero e posições partidárias.

O presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, deputado Emerson Bacil (PSL), afirmou que a audiência pública dá esclarecimentos importantes para que os deputados votem o projeto no Plenário.

O conselheiro seccional da OAB-Paraná, Dr. Anderson Rodrigues Ferreira, afirmou que a OAB ainda colhe informações para emitir um posicionamento oficial e final sobre o projeto.

Já o representante do Ministério Público do Paraná (MP-PR) na audiência, Dr. Olímpio de Sá Sottomaior, classificou o projeto como “amordaça e perseguição aos professores”.

O deputado Ricardo Arruda, um dos autores do projeto, foi vaiado durante a palavra, quando disse que os professores são de esquerda e não seguem a Constituição Federal, mas sim, a cartilha do PT.

O projeto de lei já foi aprovado em outras comissões, como a de Justiça e Cidadania e deve ser levado à Plenário para apreciação e votação dos deputados. O prazo para a votação ainda não foi definido pelos parlamentares.

Repórter William Bittar