Foto: Reprodução CBN / Carlos Nardi/WPP/Ag. O Globo
Terrazza Panorâmico

O Ministério Público Federal (MPF) se manifestou favoravelmente pela venda do Sítio Santa Bárbara, em Atibaia, no interior de São Paulo. O pedido de autorização foi feito pelo empresário Fernando Bittar, que é dono formal da propriedade rural.

O MPF pede para que Bittar realize a venda do imóvel pelo valor mínimo indicado na avaliação, apresentando a proposta de compra  ao juízo, ficando condicionado que os valores decorrentes da venda sejam depositados em conta judicial.

O sítio é alvo de investigações na Operação Lava Jato e, por isso, foi sequestrado pelo Registro de Imóveis de Atibaia, no último mês de fevereiro.

No processo que apura as reformas no local, treze pessoas foram condenadas, entre elas o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. Ele foi condenado, no dia 6 de fevereiro, a 12 anos e 11 meses de prisão por corrupção passiva, ativa e lavagem de dinheiro. A força-tarefa da Lava Jato aponta que o ex-presidente teria recebido propina, por meio de reformas no Sítio de Atibaia, das empreiteiras OAS e Odebrecht, além do Grupo Shahin, do empresário José Carlos Bumlai.

A sentença foi distribuída no Tribunal Regional Federal (TRF4) para julgamento em segunda instância. O Ministério Público Federal (MPF) solicitou o aumento da pena do petista, já a defesa de Lula afirma que ele é inocente e sequer devia ter sido condenado.

Fernando Bittar foi condenado a três anos de prisão por lavagem de dinheiro e absolvido por outros dois crimes. A petição para venda foi protocolada pela defesa dele em abril. Um dos motivos seria o de que Bittar não frequenta mais o sítio.

Repórter Francielly Azevedo