Imagem: Polícia Federal
Terrazza Panorâmico
lava jato (PF)
Imagem: Polícia Federal

João Santana e Mônica Moura foram ouvidos como réus de um processo contra o ex-ministro Antônio Palocci. Cada um deles foi interrogado por cerca de 40 minutos. Foi o primeiro depoimento do casal ao juiz Sérgio Moro como delatores da Lava Jato. Mônica Moura afirmou que ela e o marido receberam por caixa 2 em todas as campanhas eleitorais que trabalharam. Os pagamentos não contabilizados eram a regra do jogo, segundo ela.

https://static.cbncuritiba.com/cbn/wp-content/uploads/2017/04/sonora-joao-e-monica-1-tv1.aac

O casal recebia os valores em espécie no Brasil ou em depósitos no exterior, através de uma conta na Suíça. Segundo Mônica, eles acertavam com os partidos ainda no início da campanha os pagamentos contabilizados e os repasses por fora. A maioria das campanhas do PT tinha parte dos pagamentos de caixa 2 feitos pela Odebrecht. O ex-ministro Antônio Palocci era quem intermediava os repasses aos marqueteiros. A partir de 2011, o interlocutor do casal passou a ser outro ex-ministro: Guido Mantega.

https://static.cbncuritiba.com/cbn/wp-content/uploads/2017/04/sonora-joao-e-monica-2-tv1.aac

Mônica citou alguns episódios em que recebeu caixa 2 da Odebrecht: foram R$ 18 milhões em 2008 por campanhas municipais das senadoras Marta Suplicy e Gleisi Hoffmann, R$ 10 milhões em 2011 pela eleição da ex-presidente Dilma Rousseff, além de pagamentos por trabalhos para o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, em 2012, e do presidente de El Salvador em 2009. O casal disse que atuou na campanha no exterior a pedido do ex-presidente Lula.

https://static.cbncuritiba.com/cbn/wp-content/uploads/2017/04/sonora-joao-e-monica-3-tv1.aac

João Santana disse que os pagamentos via caixa 2 são uma prática comum na política brasileira e falou em “um sistema eleitoral corrupto e negativo”.

https://static.cbncuritiba.com/cbn/wp-content/uploads/2017/04/sonora-joao-e-monica-4-tv.aac

Em depoimento à Polícia Federal no ano passado, o marqueteiro negou ter recebido valores de caixa 2 no exterior. Na época, ele disse que o dinheiro na Suíça era por serviços prestados em campanhas estrangeiras. João Santana explicou a Moro porque mentiu e disse que queria proteger a ex-presidente Dilma Rousseff, que ainda enfrentava o processo de impeachment.

https://static.cbncuritiba.com/cbn/wp-content/uploads/2017/04/sonora-joao-e-monica-5-tv.aac

João Santana e Mônica Moura já foram condenados na Lava Jato a oito anos de prisão. Eles estão soltos desde agosto do ano passado, quando deixaram a cadeia após pagarem fiança superior a R$ 30 milhões. O casal ficou preso por menos de seis meses.

Repórter Tabata Viapiana

Deixe uma mensagem