Foto: PM/PR

O trânsito ficou complicado no cruzamento das ruas Trindade e dos Ferroviários, no bairro Cajuru, em Curitiba. Na tarde desta terça-feira (23), amigos e familiares de Ruhan Machado, de 20 anos, morto pela Polícia Militar (PM) na noite de segunda (22), protestaram na região. Pneus foram queimados e o cruzamento foi fechado.

A tia de Ruhan, Jucelene Zoara, afirma que o sobrinho não estava armado e foi morto por engano, ao contrário do que diz a Polícia Militar (PM).

A versão da Polícia Militar é outra. De acordo com a corporação, policiais do 20º Batalhão teriam sido acionados por causa de um corpo encontrado em um matagal. Quando chegaram ao local para realizar patrulhamento, se depararam com alguns jovens. Ainda segundo a PM houve troca de tiros e um suspeito, que estaria armado com um revólver calibre 38, morreu em confronto. Os policiais fizeram buscas por outros suspeitos e encontraram cerca de 17 quilos de maconha em uma residência na região. Duas pessoas foram encaminhadas à delegacia. Para a tia de Ruhan, a cena de crime foi armada pela polícia.

Segundo a tia, o rapaz era estudioso e não tinha envolvimento com o crime.

Ruhan não tinha passagens pela polícia e trabalhava com pavimentação de ruas com o pai. O corpo foi recolhido ao Instituto Médico Legal de Curitiba (IML).

Repórter Lucian Pichetti