Foto: Pixabay

A Polícia Civil do Paraná deflagrou uma operação para cumprir mandados de prisão em aberto decorrentes de violência doméstica. A Operação Respeito acontece em alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado neste dia 8 de março.

A operação conta com a participação de 250 policiais civis. Até o momento, foram cumpridos 20 mandados de prisão, sendo um por feminicídio.

No ano passado, 162 mulheres foram mortas no Paraná, número menor do que o registrado em 2017, quando foram 182 mortes. Apesar da redução, o número de crimes pelo simples fato de a vítima ser mulher (feminicídio), subiu de 41 para 61, um aumento de 48%. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR).

Já o Ministério Público do Paraná (MP-PR) registrou números ainda maiores e ofereceu 143 denúncias de feminicídio em 2018 e desde 2015, quando o feminicídio foi considerado como classificação de crimes, foram 589 denúncias oferecidas.

Em entrevista à rádio CBN Curitiba, a promotora de Justiça, Ana Carolina Franceschi, do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Proteção aos Direitos Humanos, explicou que para mudar esse quadro é preciso, principalmente, o empoderamento das mulheres que são vítimas de violência.

Entre os crimes tratados como feminicídio no ano passado, está o da morte da advogada Tatiane Spitzner. Segundo a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR), o biólogo Luiz Felipe Manvailer, marido da advogada, a matou e jogou o corpo pela sacada do quarto andar do prédio onde moravam, no Centro de Guarapuava.

A advogada foi encontrada morta na madrugada do dia 23 de julho e o marido foi preso no mesmo dia, enquanto tentava fugir para o Paraguai. Ele nega o crime e afirma que a jovem se jogou da sacada do apartamento.

Ana Carolina Franceschi frisa que é necessário ainda que todo caso envolvendo a morte de mulheres seja tratado, no início, como feminicídio.

A promotora também lembra a principal forma que a mulher tem para sair dessa situação.

Segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no ano passado, em todo o Brasil, 4.254 mulheres foram assassinadas e o número de feminicídios foi de 1.135.

Repórter William Bittar