Foto: Divulgação/Polícia Civil
Terrazza Panorâmico

O objetivo da ação foi cumprir 105 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a empresas que atuam no ramo de seguros em Curitiba e cidades da Região Metropolitana da capital paranaense.

Há indícios de que os suspeitos tenham faturado cerca de R$ 30 milhões por meio de golpes praticados contra pessoas idosas. Cerca de 150 policiais civis cumpriram buscas em vários bairros de Curitiba, além dos municípios de São José dos Pinhais, Pinhais, Bocaiuva do Sul, Itaperuçu, Araucária e Fazenda Rio Grande na Região Metropolitana.

Ao todo, 29 pessoas relacionadas às empresas estão sendo investigadas. Conforme apurado, a organização criminosa fazia contato telefônico com as vítimas, em sua maioria idosos aposentados.

Um integrante do grupo identificava-se como representante de bancos e da Paraná Previdência. Com isso, alegava a necessidade de uma atualização cadastral para pegar todos os dados das vítimas.

Posteriormente os suspeitos iam até as residências dos idosos e os induziam a assinar diversos documentos, grande parte deles em branco, sob o pretexto de dar efetividade a atualização cadastral.

Passados alguns meses, as vítimas se davam conta que estavam sendo descontados automaticamente valores indevidos de suas aposentadorias.

Segundo o Delegado Cassiano Aufiero, do 7° DP, muitas vítimas acabavam falecendo sem saber que estavam sendo lesadas

Muitas empresas eram de fachada, inclusive com várias funcionando no mesmo endereço, de acordo como delegado

De acordo com as investigações, que já acontecem há aproximadamente um ano e meio, a organização criminosa pode ter feito vítimas em diversas regiões do Brasil. Com a deflagração da operação, a PCPR acredita que centenas de vítimas devem comparecer até unidades policiais registrar Boletim de Ocorrência. 

Repórter Fábio Buchmann