Foto: Prefeitura de Curitiba

A decisão foi do juiz Marcos Josegrei da Silva, da 14ª Vara Federal de Curitiba. No total, 13 pessoas foram condenadas por desvios em bolsas de pesquisa na Universidade Federal do Paraná.

As penas somam 159 anos. Outros 21 réus foram absolvidos. A denúncia foi apresentada em março de 2018, depois da Operação Research, realizada um ano antes pela PF.

Segundo as investigações, os desvios ocorreram entre os anos de 2013 e 2016, e ultrapassaram R$ 7,3 milhões. O esquema era comandado por duas funcionárias da UFPR, lotadas na pró – reitoria da universidade.

Ao longo destes três anos, elas cadastraram pessoas que não tinham prerrogativa alguma para ganhar as bolsas da instituição. Alguns nomes no cadastro eram de pessoas que sequer tinham curso superior.  

Com a fraude, as duas teriam recebido uma média de R$ 30 mil por mês. As duas receberam as maiores penas, segundo o despacho do juiz.

Uma delas foi condenada a mais de 16 anos de prisão e a outra a mais de 17 anos. Ainda cabe recurso e por enquanto elas devem permanecer em liberdade.

As investigações tiveram início a partir de auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), por meio da Secretaria de Controle Externo no Estado do Paraná.

Em nota, a Universidade comemorou as condenações. Segundo o texto, a UFPR vê com satisfação o desfecho judicial, em primeira instância, de responsabilização das pessoas envolvidas nos desvios das verbas de auxílio e de bolsas.

A decisão judicial confirma, pelo rol dos condenados, que dentro da Universidade eram de fato apenas duas servidoras ativas, que inclusive já foram demitidas, por processo interno de nossa instituição, que comandaram e foram responsáveis por todo o esquema criminoso.

A nota diz ainda que a Universidade vai continuar empregando todos os esforços na busca do ressarcimento de todos os valores que foram desviados pelos condenados e seguirá incrementando todos os mecanismos do controle interno, de transparência e de governança nos pagamentos de auxílios e bolsas.

Repórter Fabio Buchmann