Foto: Cido Marques/FCC

Muito antes da concepção do projeto da Cidade Industrial de Curitiba, que tinha como objetivo promover o desenvolvimento industrial na cidade na década de 1970, um outro grupo de pessoas trabalhou por aqui e alcançou o mesmo propósito, mas isso no início do século XIX…

Os imigrantes que chegaram a Curitiba traziam na bagagem esperança de dias melhores, mas também traziam o conhecimento adquirido principalmente na Europa. A cidade recebeu farmacêuticos, industriais, engenheiros, comerciantes.

Os alemães foram a primeira etnia de imigrantes a chegar a Curitiba. Os primeiros alemães se instalaram no Centro Histórico, São Francisco e proximidades do Shopping Muller até a altura da Praça Tiradentes, praça que abriga ainda hoje o prédio histórico da farmácia Stelfeld. Outra marca da presença alemã na indústria curitibana foi a existência da centenária fábrica de pianos Essenfelder.

Outra etnia de imigrantes de grande colaboração empresarial e industrial, foram os italianos. Por aqui em sua maioria, ligado ao ramo de alimentos. Caso do imigrante italiano Giuseppe Todeschini que fundou em 1885, a Todeschini alimentos. A primeira fábrica nacional de massas do sul do país. Se consolidou no mercado como a principal fabricante no setor. Fechou em 2013.

A marca da imigração polonesa na indústria de Curitiba pode ser bem representada pela história da chegada do jovem Moisés Bergerson. Que chegou por aqui com 14 ou 15 anos, e desenvolveu habilidade no concerto de relógios, para depois passar ao ramo da joalheria e se transformar em uma das mais importantes indústrias do setor no país, com 27 lojas em cinco cidades brasileiras.