Foto: José Fernando Ogura / AEN
Terrazza Panorâmico

A lei quem aprova a construção de novos empreendimentos hidrelétricos e de geração de energia no Estado foi sancionada pelo governador Ratinho Junior. No documento, a autorização de funcionamento está condicionada ao pagamento comprovado de indenização das terras e às benfeitorias aos proprietários diretamente afetados.

Ao todo, 17 municípios vão receber investimentos, em 14 Centrais Geradoras Hidrelétricas, duas Pequenas Centrais Hidrelétricas, duas termelétricas e uma usina eólica. De todos estes empreendimentos, que já têm as devidas licenças concedidas pelo Instituto Ambiental do Paraná, 12 serão construídos e sete necessitavam de regularização.

A partir de agora, as atividades desempenhadas devem ser regidas pelas legislações federal, estadual e municipal, além de cumprir as normas ambientais. Segundo o governador, os empreendimentos mesclam inclusão social e impacto ambiental reduzido.

Os empreendimentos hidrelétricos serão construídos nas cidades de Palmeira, Cascavel, Honório Serpa, Clevelândia, Francisco Beltrão, Boa Ventura do São Roque, Pitanga, Santo Antônio do Sudoeste, Nova Tebas, Palmas, Tibagi, Rio Branco do Sul, Renascença, Toledo, Nova Aurora e Marechal Cândido Rondon. As duas termelétricas serão implantadas em Jacarezinho e Pitanga. E a usina eólica, em Palmas. 

Com o aval do governo estadual, algumas barragens que foram construídas há alguns anos vão, agora, ser reativadas. Enquanto as pequenas hidrelétricas produzem 3,5% da energia elétrica do País, no Paraná elas respondem por 1,9%.

O Estado é o quinto em número desses empreendimentos, atrás de Minas Gerais, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso. São 62 Centrais Geradoras Hidrelétricas e 31 Pequenas Centrais Hidrelétricas, atualmente.

Aguardam licenciamento 271 empreendimentos, que já estão cadastrados na Agência Nacional de Energia Elétrica e podem gerar, no Estado, mais de 100 mil empregos.

Repórter Marcelo Ricetti