fronteira-ponte-da-amizade
Foto: Denit
Terrazza Panorâmico

O Paraná, mais precisamente Foz do Iguaçu irá receber, na primeira quinzena de dezembro, o projeto piloto do primeiro Centro Integrado de Operações de Fronteira.

O modelo é baseado na experiência americana, pós os ataques de 11 de setembro, denominados Fusion Center e tem por objetivo unificar e compartilhar informações de investigações criminais em âmbito nacional e internacional.

De acordo com o Coordenador Geral de Combate ao Crime Organizado do Ministério da Justiça e Segurança Pública Wagner Mesquita, mais do que integrar as informações, o Centro Integrado de Operações de Fronteira tem o objetivo de reunir informações, e distribuí-las às forças de segurança que estiverem à frente de investigações correlatas, para agilizar e dar maior eficiência às ações policiais na fronteira.

Interligar informações

Wagner Mesquita explica que com a instalação do primeiro Fusion Center em Foz do Iguaçu o que se pretende é a presença permanente de um órgão que interligue as informações para o combate efetivo ao contrabando de cigarros, armas e drogas.

No limite entre os estados do Paraná e Mato Grosso do Sul já existem agências de inteligência trabalhando no combate a repressão aos crimes de fronteira, no entanto estas ações não são compartilhadas. Segundo Wagner Mesquita com a instalação do centro de controle, haverá um comando e controle das investigações, além de propiciar uma comunicação maior entre os órgãos de investigação.

O Centro Integrado de Operações de Fronteira irá funcionar no mesmo terreno onde está instalada a sede Policia Rodoviária Federal em Foz do Iguaçu, com investimento de aproximadamente R$ 40 milhões. Nos primeiros dois anos de trabalho, o centro funcionará em um imóvel cedido por Itaipu, dentro do parque tecnológico.

O grupo de trabalho que irá atuar no centro integrado de operações de fronteira já está sendo montado, e contará com a participação da polícia federal, polícia rodoviária federal, polícia estadual, agência brasileira de inteligência, receita federal, e demais forças de segurança.

Repórter Vanessa Fernandes