Foto: Divulgação/Hospital Angelina Caron

O Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, na Região Metropolitana de Curitiba, foi credenciado pelo Ministério da Saúde para realizar transplantes pediátricos. A instituição é a terceira da região Sul do país habilitada a transplantar pacientes de quatro meses a 16 anos de idade. Além do Angelina Caron, estão aptos o Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba, e a Santa Casa de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

O Paraná é o primeiro estado do país em doação e transplante de órgãos. Apenas em 2018, foram cerca de mil procedimentos, sendo quase 40 em crianças.

O médico cirurgião João Nicoluzzi, responsável pelo serviço de transplantes do Hospital Angelina Caron, explica que o transplante em crianças é um procedimento bastante complexo, por isso poucas unidades no país estão habilitadas.

O Serviço de Transplantes do Hospital Angelina Caron funciona há quase 20 anos. Em janeiro de 2001 foi realizado o primeiro transplante de pâncreas do Paraná, que é considerado um dos procedimentos mais complexos na área.

Depois disso, no mesmo ano, foi feito o primeiro transplante de fígado adulto do continente americano com dois doadores vivos.

Há dois anos, a unidade foi credenciada para o transplante de pulmão em adultos.

Agora o hospital está habilitado em todas as modalidades de transplantes pediátrico, em especial fígado e rim. Atualmente, há 28 pacientes pediátricos na fila do transplante no Paraná, a maioria espera por um rim.

Por aqui, 25% das famílias recusam a doação de órgãos de um parente que teve morte encefálica. Diante disso, o médico João Nicoluzzi destaca a importância da autorização das pessoas para que o serviço funcione bem.

O Hospital Angelina Caron é atualmente um dos principais centros de transplante, reconhecido internacionalmente. São cerca de 300 procedimentos por ano nas áreas hepática, renal, renopancreática, cardíaca e de tecidos.

Todo atendimento é feito pelo Sistema Único de Saúde, de maneira gratuita.

Repórter Francielly Azevedo