Janeiro de 2019 foi um mês atípico. A chuva não caiu com a intensidade esperada e as temperaturas beiraram o insuportável.

O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar) confirmou o que muita gente já imaginava. Este foi o janeiro mais quente já registrado no Estado. Pelo menos desde 1975, quando começaram os acompanhamentos nas estações meteorológicas.

A cidade com as maiores temperaturas no primeiro mês do ano foi Paranavaí, na região noroeste. A média foi de 34,4ºC, 3,3ºC a mais do que a média histórica.

Paranavaí também ostenta a maior temperatura histórica do mês: 38,1ºC, no dia 22 de janeiro.

Londrina, no Norte, teve calor em torno de 25,8ºC. A maior média já registrada anteriormente no período era de 23,9ºC.

Guarapuava, na região central, também ultrapassou a média histórica. No primeiro mês de 2019, os termômetros marcaram em torno de 18,3ºC, contra o maior registro que era de 16,8ºC.

O Iapar informou que o recorde histórico foi causado por uma massa de ar quente, chamada de Alta Subtropical do Atlântico Sul (Asas), na costa Sudeste do Brasil.

Segundo o instituto, a massa bloqueou a circulação de frentes frias que poderiam causar chuvas abrangentes e duradouras no estado. Com isso, o que se registrou foram chuvas irregulares e altas temperaturas.

Capital

O curitibano também foi surpreendido pelo calorão. No penúltimo dia de janeiro a cidade registrou o dia mais quente em 21 anos, com temperatura de 35,9ºC. Superou o antigo recorde, de 35,5ºC, de fevereiro de 2014.

Repórter Lucian Pichetti