Pavilhão do Parque Barigui será usado como centro de vacinação

Pavilhão do Parque Barigui será usado como centro de vacinação
Foto: Divulgação/Prefeitura

O Pavilhão de Eventos do Parque Barigui vai começar a ser preparado para funcionar como um “mega-centro de vacinação” em Curitiba. A afirmação foi feita pelo prefeito Rafael Greca (DEM), nesta quarta-feira (13), em uma publicação nas redes sociais.

Greca disse que prefere usar o espaço assim do que como um hospital de campanha.

O chefe da administração municipal também usou o Facebook para repercutir sobre as “brigas” em relação ao imunizante. Segundo ele, “não se trata de discutir se a vacina é chinesa ou indiana, se é do Governador João Dória ou do Presidente Jair Bolsonaro”. Greca também completou que “a melhor vacina é a que estará à disposição da população”.

De acordo com o Governo do Estado, o Paraná vai seguir o Plano Nacional de Imunização elaborado pelo Governo Federal. O Ministério da Saúde espera começar a imunizar os grupos considerados de risco ainda neste mês. A estimativa é que o Estado receba 100 mil dos 2 milhões de doses do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford e pelo Laboratório AstraZeneca. As vacinas serão importadas do Instituto Serum, um dos centros da AstraZeneca para a produção da vacina na Índia, pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Parte das 100 mil doses será destinada à Curitiba.

No Paraná, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, o grupo prioritário é formado por cerca de 90 mil profissionais da linha de frente do combate à Covid-19, 10 mil índios acima de 18 anos mapeados em comunidades isoladas de 30 municípios do Estado e 10 mil idosos que vivem em asilos e casas de repouso.

O início da vacinação depende da aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Além da vacina AstraZeneca, o imunizante CoronaVac, fabricado no Instituto Butantan, também está no centro das discussões.