relogios-de-luxo
Foto: Divulgação/Polícia Civil
Terrazza Panorâmico

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) deflagrou na manhã desta quarta-feira a Operação Cronos. O objetivo foi prender integrantes de uma organização criminosa especializada em roubos de relógios de luxo.

De acordo com as investigações, o grupo cometeu diversos  crimes no Centro e em bairros nobres de Curitiba. Ao todo 38 mandados judiciais foram cumpridos simultaneamente em Curitiba, Paranaguá, São Paulo e no município de Taboão da Serra, no interior paulista.

Foram 14 mandados de prisão preventiva, um de prisão temporária e outros 23 de busca e apreensão em endereços relacionados aos alvos da operação.

Em Curitiba, as buscas acontecem nos bairros Boa Vista e Uberaba. Em Paranaguá, no bairro Jardim Iguaçu.

Segundo o delegado Marcelo Magalhães, esta quadrilha agia de forma semelhante em todos os crimes. A maioria dos roubos acontecia enquanto as vítimas enfrentavam congestionamentos com os veículos.

Prevalecendo-se de um momento de distração, os criminosos surpreendiam o motorista fazendo ameaças de morte com uso de armas de fogo.

Atuação da quadrilha

De acordo com o delegado, uma das ações do bando aconteceu no dia 10 de agosto deste ano, na avenida Pedro Viriato Parigot de Souza. O crime foi filmado e ganhou grande repercussão em redes sociais. 

Nas imagens, é possível ver claramente um indivíduo em cima de uma motocicleta, abordando um motorista com revólver e roubando um relógio da marca Rolex.

A maioria dos integrantes é do estado de São Paulo. Segundo a polícia, Curitiba foi escolhida por ser uma cidade em que a população tem a sensação de segurança, e acaba dispensando o uso de carros blindados e seguranças por exemplo.

Outra tática da quadrilha era usar mochilas de aplicativo de entrega, para não levantar suspeitas.

As investigações continuam no sentido de identificar os receptadores dos relógios de luxo.

Até o fechamento desta reportagem, 12 pessoas tinham sido presas: 9 no Paraná e três no estado de São Paulo. Todas foram encaminhadas para a carceragem da Delegacia de Furtos e Roubos de Curitiba. 

Repórter Fábio Buchmann