Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, solicitou ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o ex-deputado federal Alfredo Kaefer (PP-PR) cumpra imediatamente a pena de prisão que lhe foi imposta. O pedido foi feito nesta terça-feira (28).

Em janeiro deste ano, o ex-parlamentar foi condenado pelo STF a quatro anos e seis meses de prisão, além do pagamento de multa, pela prática dos crimes de empréstimo vedado.

A defesa de Kaefer solicita o recalculo da pena, que, segundo os advogados, deveria ser menor em função de alguns atenuantes como a confissão espontânea do ex-deputado. 

No entendimento da PGR, o recurso da defesa não deve ser atendido, porque a intenção dos advogados é de atrasar a condenação definitiva e o início do cumprimento da pena.

As investigações apontam que, em 2003, a Sul Financeira concedeu empréstimos vedados à empresa Diplomata Industrial e Comercial. Na época, Alfredo Kaefer era sócio controlador de ambas as empresas, o que torna ilegal a operação.

A Sul Financeira passou a fazer descontos de títulos em favor da Diplomata, tendo descontado 161 títulos no valor total de R$ 3,6 milhões. Os títulos foram descontados com taxas de juros de 2,43% ao mês, percentual inferior ao que a Sul Financeira habitualmente praticava no mercado com outros clientes, que era entre 3,14% e 5,7% ao mês.

Kaefer também era acusado por gestão fraudulenta, mas não foi condenado por essa conduta, em função da prescrição do crime.

A reportagem tenta contato com o ex-deputado Alfredo Kaefer.

Repórter Francielly Azevedo