Foto: Detran PR
Terrazza Panorâmico

Começou, nesta segunda-feira (17), no Paraná, a conversão das placas de automóveis adaptados no novo modelo padrão Mercosul. A mudança atende uma resolução do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

A nova placa terá uma letra substituindo um dos quatro números. Por exemplo, uma placa AAA 0001 vai ficar AAA 0A01. Ela será branca com uma pequena faixa azul na parte superior e é parecida com placas já usadas em alguns países sul-americanos como Argentina e Paraguai.

As placas deveriam ter sido implantadas há dois anos pelo acordo inicial. A demora ocorre por causa da incerteza em torno das mudanças. Falou-se inclusive na presença dos brasões dos estados e municípios nas placas novas, o que já foi abolido.

De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Despachantes de Trânsito (Fenadest), Everton Calamucci, os despachantes não concordam com as mudanças neste momento e até foram a Brasília para pedir o adiamento da implantação.

De acordo com o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran-PR), o novo modelo terá itens de segurança que permitirão rastrear as placas e os veículos por meio de QR Code praticamente impedindo a clonagem. E, em uma segunda fase será implantado um chip, para facilitar a fiscalização de pessoas e cargas. Esse é justamente um dos pontos que causa discordância da Associação dos Revendedores de Veículos Automotores no Estado Paraná (Assovepar).

Conforme o presidente da Assovepar, Cesar Lançoni Santos, ainda não há comprovação efetiva de que a medida trará benefícios.

O novo modelo do Mercosul terá código único e conterá todos os dados de confecção da placa, como a identificação do fornecedor e o número de série, data e ano da fabricação da peça. Inclui ainda o modelo do carro.

Cesar Lançoni diz que os revendedores de veículos temem que as pessoas passem a considerar o carro como um item muito caro para se manter.

No Paraná as placas novas serão obrigatórias a partir do dia 24 de dezembro. Elas passam a valer para carros novos, veículos transferidos de município ou proprietário, e em outras situações que necessitem a substituição incondicional das placas.

Não há mais obrigatoriedade de troca de placas para os veículos que já estão em circulação, ou seja, um veículoemplacado poderá circular com o modelo atual, se permanecer com o mesmo dono e no mesmo município, até o fim da vida útil.

Repórter Francielly Azevedo com informações de Fábio Buchmann