Foto: Divulgação/AEN
Terrazza Panorâmico

Um convênio firmado entre a Polícia Civil do Paraná e Polícia Civil de São Paulo vai agilizar a perícia de impressões digitais no estado. Antes o resultado levava até duas semanas para ser obtido, com o novo programa computacional será possível identificar as digitais de suspeitos não registrados no Paraná em poucas horas, dando celeridade ao processo de investigação.

Essa agilidade na identificação de criminosos é fruto do sistema de Legitimação à Distância (Lead), criado pelo governo paulista, e que unifica e compartilha a base de dados de São Paulo, Goiás, Rondônia, Sergipe e Paraná. Esse sistema vai permitir que a Polícia Civil do Paraná tenha acesso às impressões digitais de pessoas que estejam registradas nesses respectivos estados, facilitando a identificação de suspeitos ou vítimas de crimes.

O delegado-geral da Polícia Civil no Paraná, Silvio Rockemback, diz que a medida tem por finalidade aumentar a efetividade das investigações conduzidas pela Polícia Civil no Paraná.

A integração entre os sistemas cadastrais vai aumentar sensivelmente o banco de dados paranaense. Hoje, o Paraná conta com 13,7 milhões registros de carteira de identidade, número que representa 20% dos 66 milhões de registros do estado e São Paulo. O diretor do Instituto de Identificação da Polícia Civil do Paraná, Marcus Michelotto, ressalta a segurança do tramite e diz que o sistema vem para trazer avanço para a comunicação dos institutos de identificação em todo o país.

Antes da parceria a Polícia Civil do Paraná fazia as solicitações de confrontos datiloscópicos para as outras polícias, mas normalmente havia demora no retorno dos pedidos. Agora a polícia terá acesso a um software onde o servidor autentica digitalmente sua assinatura, solicita a perícia de impressão digital e, no mesmo dia, recebe o laudo confirmando ou não a identidade suspeita.

Da redação com informações da Agência Estadual e Notícias