Foto: André Richter - Agência Brasil/EBC

A Polícia Federal e o Ministério Público Federal deflagram nesta manhã (23) a operação “Sem Fundos” – a 56ª Fase da Operação Lava Jato. Esta fase cumpre 68 mandados de busca e apreensão, 8 mandados de prisão preventiva e 14 mandados de prisão temporária, divididos nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Bahia.

As investigações buscam reprimir a prática de crimes de corrupção ativa e passiva, gestão fraudulenta de fundo de pensão, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Segundo a Polícia Federal, contratos que envolviam a construção da nova sede da Petrobras em Salvador, na Bahia, tiveram indícios de superfaturamento, além de serem direcionados para viabilizar pagamentos de vantagens indevidas para agentes públicos.

As investigações apontam que o Fundo Petrobras de Seguridade Social (Petros) investiu na execução da obra para alugar o prédio à Petrobras por 30 (trinta) anos. Ocorre que, com o direcionamento da execução das obras à uma empresa ligada a outras duas grandes empreiteiras já conhecidas da Lava Jato, o valor da execução ficou bem acima do que deveria, assim como o valor de aluguel a ser pago também.

Segundo a Polícia Federal, as penas somadas podem chegar ao total de 50 anos de prisão, além de multas.

O nome da operação refere-se à perda do Fundo de Pensão da Petrobras, assim como ao fato de os crimes investigados parecerem revelar um “saco sem fundos”. Os presos serão conduzidos à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba/PR onde permanecerão à disposição da Justiça.

Da redação