Foto: Polícia Federal
Terrazza Panorâmico

Uma operação da Polícia Federal (PF), com apoio da Gerência de Segurança Operacional dos Correios, mira uma organização criminosa que atuava no tráfico internacional de drogas no centro internacional de encomendas dos Correios em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

São cumpridos nesta quarta-feira (9) sete mandados de busca e apreensão (cinco em Curitiba e dois em Piraquara) para a coleta de evidências que possam estar relacionadas aos fatos investigados e seus possíveis autores, entre eles dois ex-funcionários de carreira dos Correios e três ex-funcionários terceirizados. Os mandados foram expedidos pela 9ª Vara Federal de Curitiba.

Operação Hexa

A ação é um desdobramento da Operação Hexa, deflagrada no dia 28 de fevereiro deste ano. À época as investigações apontaram que que a organização criminosa tinha foco no desvio, apropriação e venda de drogas sintéticas oriundas de diversas cidades da Holanda ao Brasil, no momento da triagem no centro internacional dos Correios em Pinhais. No local passam todas as encomendas postais internacionais com até 2kg que chegam ao Brasil.

A suspeita é de que a apropriação ilícita dos entorpecentes ocorria na própria estação de trabalho dos investigados, que identificavam a origem e características dos objetos postais. Se contivessem droga sintética, os pacotes eram interceptados para posterior venda.

Na primeira fase da operação, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária que foram convertidas em prisão preventiva, pela prática de peculato e associação criminosa.

Em nota, os Correiros divulgaram que a operação consiste em uma ação conjunta entre Correios e Polícia Federal. A instituição ainda anunciou que os empregados dos Correios que participavam do ato ilícito responderam a processo administrativo e foram demitidos. A nota ainda reitera que qualquer conduta por parte dos empregados, dissociadas dos padrões e valores defendidos pelos Correios, será apurada e devidamente corrigida.

Repórter Lucian Pichetti