Foto: Daniel Castellano/SMCS

Além da redação original (005.00149.2018), que autoriza a implementação exclusiva do sistema de bilhetagem eletrônica por meio do cartão-transporte, a Câmara Municipal de Curitiba (CMC) discutiu dois substitutivos gerais. Um deles, proposto por Rogério Campos (PSC) e assinado por mais 36 vereadores, pretende garantir a substituição gradual dos cobradores (031.00032.2019).

Enquanto a Prefeitura de Curitiba justifica que o uso exclusivo do cartão-transporte traria agilidade ao sistema e diminuiria os assaltos, ao restringir o dinheiro em circulação, a categoria apontava o risco de demissão imediata de milhares de trabalhadores.

O substitutivo, justificou Campos, é resultado de um acordo entre a Urbs e o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), mediado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT).

O substitutivo, segundo Rogério Campos, retira do texto a palavra “exclusiva”.

O outro substitutivo é de Tico Kuzma (Pros). No entanto, depois de conversar com colegas e com o próprio Rogério Campos, ele decidiu retirar o próprio substitutivo da pauta.

O texto de Rogério Campos acabou aprovado por unanimidade. Em Curitiba e Região Metropolitana, são aproximadamente 5 mil trabalhadores que exercem a função de cobrador    

Repórter Fábio Buchmann