Carnês do IPTU 2017 começam a ser distribuídos. Desconto vai até 10 de fevereiro. Curitiba, 06/01/2017 Foto:Cesar Brustolin/SMCS

Em proposta encaminhada à Câmara Municipal de Curitiba, a prefeitura pretende manter a progressão de cobrança referente ao IPTU, que vem sendo adotada desde 2014. Pelo 4° ano seguido, o reajuste será de 4 % para imóveis edificados e de 7% para imóveis não edificados.

O reajuste do imposto para o ano que vem será feito pela correção da inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) nos 12 meses finalizados em novembro de 2017.

Quem paga hoje R$ 200,00 de IPTU , passa a pagar R$ 208,00 para imóveis edificados e R$ 214,00 para os não edificados

No texto a administração municipal justifica que manteve a Planta Genérica de Valores (PGV) que serve de base para determinar o valor venal do imóvel. Segundo a prefeitura o mercado imobiliário estabilizou. Por isso a decisão pela manutenção da planta de 2014, que estaria alinhada à realidade econômica atual.

De acordo com a mensagem encaminhada pelo prefeito Rafael Greca, após uma “razoável recuperação da economia” será justificável a revisão da PGV e atualização dos valores, uma vez que há ainda significativa diferença entre o valor venal e o valor real dos imóveis.

A prefeitura argumenta ainda que as atualizações da planta genérica  são necessárias para diminuir a diferença entre os valor venal e efetivo dos imóveis, tornando o desempenho da administração tributária mais eficaz, com tributação mais justa e mais proporcionalidade e equidade na cobrança do imposto.

O Secretário de Planejamento Finanças e Orçamento de Curitiba, Vitor Puppi, falou sobre a lei aprovada na gestão de Gustavo Fruet, que vem limitando o reajuste do Imposto.

O IPTU é a segunda maior fonte de arrecadação própria de Curitiba, com uma receita de R$ 537 milhões em 2016.  O imposto incide em aproximadamente 750 mil unidades tributárias (residenciais, não comerciais e territoriais) na capital.

Deixe seu comentário