Foto: Reprodução/SMCS

A Rede de Proteção Animal da Prefeitura de Curitiba lançou nesta quarta-feira (5) uma série de ações voltadas ao atendimento de animais resgatados na cidade. Entre elas, o incentivo a adoção de pets e a guarda-responsável dos bichinhos. Quem explica é a secretária municipal do Meio Ambiente, Marilza Oliveira Dias.

Outra ação anunciada é uma campanha de comunicação e a adoção do Banco de Ração, instrumento que vai possibilitar à Prefeitura receber doação de ração para ser encaminhada a ONGs e protetores independentes.

Números

Entre os números listados pela secretária do Meio Ambiente, estão as mais de 28,7 mil cirurgias feitas pelo Programa Municipal de Castração Gratuita, de julho de 2017 a maio de 2019.

O programa, que já recebeu R$ 8,5 milhões em investimento, conta com dois castramóveis e clínicas credenciadas. O atendimento acontece por regionais, conforme calendário, e mediante cadastro dos tutores, protetores e ONGs. Em agosto deste ano, está previsto o lançamento de um novo site da Rede de Proteção, que vai facilitar ainda mais o processo.

Marilza comemorou também os mais de 5,5 mil atendimentos nas avaliações clínicas gratuitas feitas pelo convênio com a Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná.

Os números divulgados incluem, ainda, 7,5 mil solicitações atendidas pelas equipes de fiscalização de denúncias de maus-tratos de animais. Delas, 1.880 foram atendidas em 2019, ano que a Rede firmou parceria com a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente para as operações. Os resgates neste ano chegam a 378.

O Centro de Referência para Animais em Situação de Risco (Crar), que fica na CIC, entrou em operação em 2017. Apenas no Crar já foram adotados 352 cães, gatos, coelhos e cavalos, todos vindos de fiscalização e apreensão.

Repórter Lucian Pichetti